Trabalhe Conosco | Contato

Curiosidades

Conheça uma das belezas da lagoa da Pampulha, a Casa do Baile 

A Casa do Baile foi inaugurada em 1943 para abrigar um pequeno restaurante e fica situada numa pequena ilha artificial ligada à orla da lagoa da Pampulha por uma pequena ponte de concreto. Com a finalidade de tornar a Pampulha um centro de reuniões populares, a Prefeitura fez o edifício do Baile, local destinado às diversões com duas finalidades na execução desta obra: a valorização artística da Pampulha e a função social, como diversão para o povo.

O projeto arquitetônico original e seu paisagismo foram concebidos por Oscar Niemeyer e Roberto Burle Marx, uma referência da moderna arquitetura brasileira. O projeto propunha uma integração total com o ambiente da lagoa.

 

Logo o local se transformou num espaço de lazer e entretenimento nas noites de Belo Horizonte, com atividades musicais e dançantes. No entanto, com a proibição do jogo em 1946, o Cassino foi fechado (atualmente onde fica o Museu de Arte da Pampulha – MAP), o que refletiu no fechamento da Casa do Baile também, que precisou fechar as portas em 1948.

Desde então, o espaço foi utilizado para diversos fins comerciais, sob administração da Prefeitura. Nos anos 80, funcionou como anexo do Museu de Arte da Pampulha, restaurante, até ser fechado novamente. Para reconhecer sua importância para a identidade cultural do país, o prédio foi tombado em todas as esferas: federal, estadual e municipal.

Após sua restauração, que foi realizada sob o comando do próprio Oscar Niemeyer com novos sistemas de climatização e iluminação, a Casa do Baile foi reaberta em dezembro de 2002 e hoje faz parte do Conjunto Arquitetônico da Pampulha, tornando-se um centro de referência de urbanismo, arquitetura e design após essa reforma.

Os jardins também passaram por um processo de revitalização obedecendo o estilo paisagístico da proposta original de Burle Marx.

O local recebe exposições temporárias, divulga publicações, desenvolve seminários, encontros e outros eventos relacionados às áreas pertinentes à Casa. Conta com um salão de 255 m², um auditório de 53 lugares com recursos multimídia, salas de apoio administrativo, ilha digital com os acervos documentais disponíveis a pesquisadores e ao público em geral.

Não perca a oportunidade de visitar esse belíssimo local. A Casa do Baile é aberta para visitação e oferece diversos tipos de visitas guiadas, entre elas:

  • Visitas monitoradas para escolas e grupos, com palestra de apresentação da história da orla da lagoa da Pampulha e seus pontos turísticos com foco na Casa do Baile.
  • Visitas técnicas, voltadas ao público universitário e profissionais de urbanismo, arquitetura e design. Essa consulta informa a metodologia utilizada no acervo digital, bem como o acesso às informações da restauração da casa e outras informações mais específicas. Essas visitas são sempre coordenadas por um arquiteto ou um historiador e prevê o acesso aos locais administrativos.
  • Visita virtual à lagoa da Pampulha, através da maquete virtual lançada em dezembro de 2005. O programa pode ser acessado através de um computador na Casa do Baile e está aberto ao público em geral. A navegação na maquete permite uma visita completa à lagoa da Pampulha, seus equipamentos, bairros do entorno e outras construções de valor arquitetônico e histórico, além de informações históricas e uma linha cronológica da construção da barragem até os dias atuais.

Funcionamento: De terça a domingo, das 09 às 19 horas.
Contato de e-mail: casabaile@pbh.gov.br 

 

Abaixo uma galeria de fotos da Casa do Baile:

 

Voltar